quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Já voltei ao normal!

Ontem eu estava "prá lá de Bagdá"! Essa expressão é mais velha que a lenda do saci pererê! rs...rs...rs... Aliás, na segunda eu já estava um bocado azeda, lembra? Já não estava bem...
E depois que fiz o post, assisti a entrevista da nova presidente no JN e gostei de algumas das considerações dela! Senti firmeza de que ela vai governar por ela mesma, sem os fios de controle do atual! Mas já começou a briga pela partilha dos cargos... coligação demais dá nisso! Agora, é torcer prá que dê certo!
Mas ontem, passei o dia com dor de cabeça e enjôo, a boca um gosto horrível... não sabia se tinha sido alguma coisa que eu tinha comido... se eu tivesse bebido diria que estava de porre, mas nem beber eu bebo! No final da tarde tomei mais um Tilenol e meio Dramin, deitei e dormi até o Jornal Nacional. Levantei esquentei o jantar do maridão...

Hoje de manhã, levantei já com um pontinho de dor nas sobrancelhas. Ai fiquei prestando atenção e ela começou a espalhar pela testa e ouvidos... Sinusite! Tomei um Descon, coloquei a cadeira no sol, dez minutos e eu estava na boa!
Fui ao alongamento... que alívio! Achei melhor não fazer hidro, o vento ainda está frio e a saída da hidro não tem me feito bem!
Minha revendedora AVON me entregou hoje o conjunto de brincos e cordão com pingente que comprei para o casamento da minha enteada. Já experimentei e ficou lindo...
A reunião da SNI hoje foi especial. Gracinda foi à uma reunião em São Paulo e partilhou conosco um trecho da preleção da professora Marie Murakami.

Todos nós recebemos de Deus a preciosa vida e, quando temos a percepção de que recebemos esta vida para proporcionar felicidade a outras pessoas, ficamos com ímpeto de querer praticar o bem todos os dias para alguém. Isto ocorre porque Deus é amor, e, como amar é dar aos outros, nós podemos sentir a verdadeira felicidade só quando conseguimos fazer alguém feliz.

Enquanto a gente não se dá conta de que a felicidade só é integral se é compartilhada, a gente perde muito tempo... corre atrás da tal felicidade, gasta tanto dinheiro com bens materiais e parece que quanto mais a gente compra, mais a gente precisa...
Só somos realmente felizes se ao nosso redor as pessoas são felizes. Alegrias divididas = felicidade multiplicada!

FUI!